Indignação, com CEDILHA

Me sinto meio patético. A palavra é quase um clichê de 3a da mídia e das ongs, mas me sinto indignado.
A questão é que na política ou na vida, grande parte das pessoas quer salvar o seu da reta… só que você vive numa sociedade cheia da miseráveis, conhece e aplica o preceito da mais-valia, aonde sabe que o fruto do seu lucro é a exploração daqueles que não tem o seu capital…
Portanto é mais fácil jogar a culpa adiante, no sistema, no coletivo… Estou muito indignado pra poupa-lo do palavrão:
PUTA QUE PARIU! Cada um fazendo o mínimo do seu, vai melhorar o coletivo!
Exemplo: Assisti o filme TROPA DE ELITE… o primeiro caso de cinema nacional (de 1a por sinal) vazado, pirateado e amplamente distribuído pela internet e camelônet.
A mensagem final é que SE NÃO COLABORO, SOU PARTE DO PROBLEMA PORRA! Se assisti ao pirata, sou contribuinte do setor ilegal! Alimento o contraventor, COITADINHO!

Então ficar jogando a culpa no governo, sistema, vizinho, subordinado ou irmão é meramente o ato de se calar se aceitar como parte do problema… muitas vezes ainda fingindo ser adepto da solução por dizer meramente o contrário do que se faz.

Hoje absolveram Renan Calheiros. Mesmo que ele tenha sofrido um ataque de interesses e sido alvo do oportunismo de desafetos mancumunados com a mass-media, a classe política MAIS IMPORTANTE QUE MINISTROS(uma vez que perder o mandato de senador é virtualmente impossível) provou ser um mero antro de acordos velados, manutenção de interesses e MEDO de revanches políticas.
Parem pra pensar… se o Renan vai ao fundo, sem mandato até 2019 NÃO VAI ARRASTAR CONSIGO UNS 3 ou 4 INIMIGOS ou “TRAIDORES”?
E o que a Cristina Lobo explicou? O Senado é um faz de conta descontrolado… o Professor Darcy Ribeiro, ex-senador, comunista de respeito e HUMANISTA de VERDADE comparou o Senado a um Clube com regalias de dar inveja a qualquer Mediterranè. Renan como presidente, autorizava as regalias SEM TER QUE DAR EXPLICAÇÕES OU PRESTAR CONTAS…
PORRA! Você fica amigo de um cara que vai facilitar tua vida… O QUE GANHA APLICANDO A MORAL E ÉTICA AO EXPULSA-LO e QUEM SABE ter que começar tudo do ZERO com outro que tente não ser “inatitucionalizado”… um “aspira” novo na corporação?

Sério… indignação é clichê… então vou apelar logo pra outro que adoro.

O POVO é OTIMISTA; gosta de ver a LUZ no fim do túnel.
A MÍDIA é PESSIMISTA; nunca vê a LUZ no fim do túnel.
Eu me considero um dos REALISTAS; Prefiro ver o TREM.

Ah: A respeito daquela matéria interessante da VEJA sobre as mudanças na língua:

Mudanças desse gênero fazem a língua evoluir.
Repare que só agora o Português Lusitano está tirando algumas consoantes inconsistentes. Querendo ou não, elas significam mais toques na hora de digitar e complicam a língua desnecessariamente.

Repare: HORA… vocalmente o “h” não tem uso, serve porém para diferenciar apenas o presente do verbo “Orar”.
Curioso, porque com o mesmo significado temporal, utiliza-se ora sim, ora não, já sem o “h”! Percebeu?

Português é uma língua bastante complexa e cheia de regras… no final isso a deixa mais interessante mas ao mesmo tempo muito difícil.

ENTRETANTO ISSO NÃO É DESCULPA PARA ESCREVER/FALAR ERRADO.

As novas gerações não conhecem a biblioteca… afinal, tem o Google. Livro é sinônimo de velharia… de passado, mas a própria internet não dá muitas vezes a condição ideal de se ler e COMPREENDER ou mesmo digerir o conteúdo de um livro. A falta DESTA leitura acaba contribuindo para o enfraquecimento do embasamento cultural geral, o que subtrai do indivíduo a melhor capacidade de compreensão, raciocínio portanto de escolha e arbítrio mais equilibrado.
Basta responder uma pergunta. QUEM VOTA NO LULA e CIA??? O povo que conclui 2o e 3o grau ou a população que não tem acesso à leitura/eduação de nível?

Sabe… me considero um bom conhecedor de português, e escrevo razoavelmente bem mesmo cometendo erros (que são naturais e inerentes); Acho etimologia fascinante… Se você me perguntar, na escola eu era o aluno ~6,5 na matéria. 8 em redação, 8,5 em interpretação e 4 em gramática.
CAGAVA PRA GRAMÁTICA! Não gostava das regras; confesso saber relativamente pouco até hoje… massssssssssssss
LIA… LIA MUITO… gostava de ler desde gibis/revistinhas da mônica (que ENSINAM português
basico correto) até grandes revistas.
Lia bastante livros, desde toda a coleção vaga-lume até “Para gostar de Ler” com crônicas de grandes escritores Brasileiros.
Minha escola obrigava a ler clássicos, desde Moby dick, Robinson Crusoé até “O Estrangeiro” de Albert Camus.
GOSTAVA de livros com histórias aventureiras. Li Continente, Arquipélago e boa parte da obra de Veríssimo… a gente aprende a gostar de um estilo. Se eu gostava, procurava mais livros do autor. Eça de Queiroz é simplesmente fantástico, e desafio qualquer um a não se impressionar com “Os Maias”.
Na faculdade nos induziam a ler mais conteúdo clássico, carregado de mais sociologia e psicologia… e aí passa a ser leitura de outro nível… se você não tem a BASE, acaba absorvendo POUCO, ficando portanto DEFASADO e não compreendendo o teor e as mensagens embutidas nas obras.

Aliás considero-me FRACO por não ler mais literatura mundial e brasileira clássica, não ter terminado de ler obras de Dostoievski, Machado de Assis, o complicadíssimo “Os Sertões” de Euclides da Cunha, Grande Sertão Veredas, Casa Grande e Senzala…
Mas garanto, e meu texto não deixa mentir. Quanto mais lemos, mais “martelamos” as sentenças, conjugações e vocabulários CORRETOS na nossa mente. No final, quanto mais você lê, melhor escreve porque meramente aprende a REPETIR palavras, orações e construções verbais corretamente.

Aí ainda vem a internet que além de propagar o erro com dezenas de “fontes” de ortografia e gramática duvidosa. Lança os “falsos escritores”, gente que fala e escreve o básico da língua e se diferencia na VELOCIDADE e não no conteúdo. Acaba virando referência e até mesmo leitura complexa para uma geração que leva a escrita fonética ao limite, com os absurdos “naum” (tudo para não ter que apertar o SHIFT em teclados US e gastar UM MÍSERO TOQUE A MAIS!), “q” no lugar do QUE, entre outros muito piores.

O que era pra ser comunicação rápida vira REGRA, e os PROFESSORES já tem um dilema complexo em aceitar ou não as provas escritas em “internetês”; Se aceitam, atacam a norma culta da língua, se reprovam, ignoram o contexto real da comunicação e até mesmo sua evolução lógica… mas a coisa aconteceu tão rapidamente que não há regras, parâmetros… o professor mais corajoso tem que INTERPRETAR o raciocínio linguistico para validar ou não a idéia transmitida… JÁ ANTIGAMENTE… ISSO ERA ERRO.


About this entry